sexta-feira, 08 de janeiro, 2021

Em 2020 o PET mostrou sua força e flexibilidade

Diante de toda essa turbulência, indefinições e mudança de hábitos de consumo nesses tempos de Covid-19, é possível dizer que o setor do PET conseguiu um bom desempenho em 2020, em razão de investimentos feitos nos últimos anos, na casa das centenas de milhões de dólares.
Com isso, o Brasil possui um ótimo posicionamento em razão da capacidade instalada, tanto para produção de resina PET virgem, da ordem de um milhão de toneladas/ano, como na produção de preformas e garrafas. No caso do PET reciclado, a capacidade de produção brasileira já atinge cerca de 450 mil toneladas/ano.
As capacidades mencionadas acima são bastante suficientes para abastecer todo o consumo interno que em 2019 foi de 596 mil t/ano de resina virgem e de 311 mil t/ano do material reciclado, e ainda sobra para algumas exportações. O parque industrial brasileiro como um todo conta com tecnologia totalmente atualizada, garantindo qualidade e produtividade capazes de atender às exigências dos mercados mais desenvolvidos. Somado a isso, a agilidade, a diversidade de aplicações e a flexibilidade de formatos foram determinantes para que o PET se moldasse, literalmente, aos novos hábitos de consumo.
Todos esses fatores levaram a uma retomada mais rápida do setor em 2020, após o pior momento, vivido entre os meses de março e abril, quando prevíamos que a pandemia causaria um impacto negativo de 5% no setor. O que ocorreu, no entanto, foi uma total reversão de expectativas, que nos leva a apontar para o mesmo percentual neste momento, mas com viés positivo.
Mas esse bom desempenho ao longo do ano não foi homogêneo nem desprovido de desafios.
Alguns setores foram mais impactados no início da pandemia, especialmente em abril. Refrigerantes e sucos naturais chegaram a ter queda de até 35% nas vendas naquele mês. Essa redução foi compensada pelo verão aquecido dos meses anteriores (janeiro-fevereiro), com ótimo desempenho, além da retomada do consumo a partir de agosto. A estimativa é que esse mercado teve uma redução entre 8% e 10% no primeiro semestre deste ano, na comparação com o mesmo período do ano passado.
O caso da água foi inverso. Houve explosão de consumo nos primeiros momentos da pandemia, em razão da estocagem do produto, com dificuldade de abastecimentos das prateleiras dos supermercados. A situação se normalizou posteriormente, diante da percepção sobre a falta de necessidade de compras volumosas do produto.
As embalagens para óleo comestível não sofreram redução na demanda, ao contrário, tiveram alguns meses mais aquecidos do que em 2019, uma vez que o consumo do produto em embalagens PET é tradicionalmente residencial, favorecido pelo isolamento.
A boa surpresa veio do segmento de produtos para limpeza e saneantes, que normalmente são abastecidos tanto por embalagens fabricadas com resina virgem quanto reciclada, somado ao consumo adicional impulsionado pela forte fabricação de álcool em gel, com novas embalagens e marcas. No que diz respeito às embalagens PET, este mercado deverá fechar o ano com demanda superior a 10% em relação a 2019.
Vale lembrar, ainda, outras novas aplicações, como as bandejinhas termoformadas para embalagem de alimentos, muito utilizadas por serviços de delivery. Este novo segmento foi atendido dentro de uma onda em que os plásticos de modo geral demonstraram a sua importância diante da necessidade de acondicionar produtos de maneira segura e higiênica.
- ABIPET
Plástico Moderno - 05/01/2021
Produtos relacionados
Comprar PET
Outras noticias
DATAMARK LTDA. © Copyright 1998-2021 ®All rights reserved.Av. Brig. Faria Lima,1993 3º andar 01452-001 São Paulo/SP