sexta-feira, 11 de setembro, 2020

Serviços crescem 2,6% em julho e frustram expectativa do mercado

O volume de serviços prestados em julho cresceu 2,6% quando comparado com o mês anterior, engatando a segunda alta mensal consecutiva para o setor. É o que mostra a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), divulgada nesta sexta-feira (11) pelo IBGE.
O resultado ocorre após uma sequência de quatro taxas negativas (entre fevereiro e maio), provocada, principalmente, pelo isolamento social para conter a pandemia do novo coronavírus. No período, o setor acumulou perdas de 19,8%.
Na comparação com julho de 2019, o volume total de serviços prestados recuou 11,9%, quinta taxa negativa seguida. Já nos primeiros sete meses de 2020, houve queda de 8,9%. Em doze meses, o volume de serviços caiu 4,5%.
“O avanço de 2,6% não foi suficiente para eliminar as perdas observadas entre fevereiro e maio. Vale destacar que o efeito da pandemia propriamente dito ocorreu entre março e maio", diz Rodrigo Lobo, gerente da pesquisa.
"O resultado negativo de fevereiro ainda não era decorrente das medidas de isolamento social e sim uma acomodação do setor de serviços frente ao avanço do final de 2019. As perdas da pandemia entre março e maio somam 19,8%”, explica.
A alta de julho vem abaixo da expectativa do mercado. Pesquisa da Reuters estimava uma alta de 3,1% em comparação com junho.
- Recuperação em marcha lenta
Diferentemente da indústria e do comércio, o setor de serviços vem mostrando a maior lentidão em se recuperar dos efeitos da pandemia, que começaram a ser sentidos no final de março -a queda vista em fevereiro é considerada conjuntural. As atividades que envolvem atendimento presencial são as mais afetadas, segundo o IBGE.
“O setor de serviços ainda se encontra 12,5% abaixo de fevereiro de 2020 e a 22,2% do pico", disse o gerente da pesquisa, Rodrigo Lobo, explicando que para retornar ao nível de fevereiro o setor como um todo tem que crescer 14,3%, sendo que somente aqueles prestados as famílias precisam avançar 130,5%.
"A presença das pessoas é necessária e por isso serviços reagem mais devagar do que indústria e comércio. E enquanto a economia tiver dificuldade, teremos uma reação mais lenta do setor de serviços.
"Não à toa, no segundo trimestre, os serviços tiveram perdas históricas de 9,7%, contribuindo fortemente para a contração de 9,7% do PIB no período.
- Atividades mais afetadas
Em julho, quatro das cinco atividades de serviços pesquisadas apresentaram expansão de volume. Os destaques foram os avanços de 2,2% em serviços de informação e comunicação e de 2,3% de transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio. Porém ambos ainda estão longe de recuperar as perdas anteriores no ano.
"O setor de tecnologia da informação é o mais dinâmico e resiliente entre as atividades de serviços; mesmo nos momentos de crise...o setor tem mostrado capacidade de se recuperar muito rápido", disse Lobo.
"Em relação à pandemia, não está entre os setores mais impactados como aqueles que dependem de atendimento presencial, a exemplo dos serviços prestados às famílias por hotéis e restaurantes.
"Lobo também explicou que os ganhos em transportes se devem principalmente ao transporte rodoviário de carga.
Os demais foram de serviços profissionais, administrativos e complementares (2,0%) e de outros serviços (3,0%). O único resultado negativo em julho foi em serviços prestados às famílias, com queda de 3,9% em julho depois de crescer 12,2% entre maio e junho.
O índice de atividades turísticas, por sua vez, cresceu em julho 4,8% frente ao mês anterior, na terceira taxa positiva seguida, acumulando no período ganho de 36,1%.
O segmento de turismo havia acumulado perda de 68,1% entre março e abril devido ao forte impacto do isolamento social, principalmente em transporte aéreo de passageiros, restaurantes e hotéis.
CNN Brasil - 11/09/2020
Outras noticias
DATAMARK LTDA. © Copyright 1998-2020 ®All rights reserved.Av. Brig. Faria Lima,1993 3º andar 01452-001 São Paulo/SP